terça-feira, 3 de março de 2009

O pulo do gato...miauuuuu!!!!!!

E hoje, no Pulo do Gato, a notícia foi essa: Dois gatunos são presos vendendo decodificadores furtados para o povo ter acesso livre a TV a cabo e internet banda larga. O caso era investigado há três meses pela NET.



Madrugada de terça-feira, 3 de março do ano presente, a seccional de São Bernardo do Campo, na Rua Anunciata Gobbi, está cheia de jornalistas de várias emissoras de rádio, TV, jornais impressos e internet. Todos estão lá porque o delegado Fabiano Fonseca Barbeiro entrou em contato com o repórter do DGABC dizendo que tinha prendido, através de investigação, dois malas que participavam de um esquema de fraude na distribuição de decodificadores da NET. Como na madrugada todo mundo é amigo, a notícia se espalhou e chegou até o Morumbi, Berrini, Bela Vista, Barra Funda, Limão e Osasco. Até então a cidade de São Paulo parecia uma Noruega. Madrugada tranquila, sem ocorrências e delegacias apenas com casos de briga de marido e mulher, que, como diz o ditado, a gente não ponha a colher.

Big Brother, Pay Per View, Cartoon Network, CNN, Tele Cine, pornô … Tudo isso por apenas R$ 800. Não de assinatura, mas uma única parcela por toda a vida. Internet de 10 mega também, mais barato ainda, R$ 450. Isso mesmo, o fulano ia à lojinha GR Eletrônica em Diadema ... “Quero TV paga sem pagar”, o mala encomendava e depois de um tempo “é só puxar um gato, ligar a televisão e assistir TV digital.” A grosso modo, era assim que funcionada o esquema de Gutierre Luiz Eleutério, 30 anos, e Reginaldo Silva Damascena, de 29.

Na delegacia, por volta das 3h00, o doutor - que por sinal dá de dez em muitos assessores de imprensa - já preparava os CDs com fotos, vídeos e áudios que foram gravados com uma câmera escondida no momento da prisão dos dois indiciados. Enquanto o material não ficava pronto, em nossas mãos já circulavam três folhas de papel sulfite com um texto explicando toda a ação da polícia e os depoimentos das partes.

Os fotógrafos e cinegrafistas preparados porque a qualquer momento os receptadores poderiam passar. O delegado, todo preocupado, sai da sala e diz: “Olha, já conversei com os dois bandidos. Vocês podem ficar por aqui porque já pedi para os policiais trazerem eles por esse corredor antes de irem para o segundo andar. Quando eu der o sinal...” 10 minutos depois os malas, sem camisas – quer dizer, com as camisas cobrindo os rostos - passam e é flash e luz para todo o lado. Minutos depois, o caminho de volta, mas agora para o camburão que tem como destino o 3º DP de São Bernardo do Campo até conseguirem uma vaga no CDP da cidade.



Com a palavra, o doutor:

Repórter R: Começou com a denúncia de um funcionário que presta serviço antifraude para a NET. Como funcionou isso aí?

Delegado Fabiano Fonseca Barbeiro: A empresa tem um setor antifraude que recebeu essa denúncia. Inicialmente fez o primeiro contato, para ver mesmo se procedia àquela informação. Percebendo que de fato era procedente nos procurou para dar início aos trabalhos da polícia judiciária visando à prisão dos responsáveis.

Repórter R: Alguma preocupação de vocês colherem as provas com câmera escondida?

Delegado Fabiano Fonseca Barbeiro: Na verdade é um dispositivo que temos e com certeza houve sim a preocupação de usar com o intuito de preservar a prova ao máximo da prática efetiva daquela conduta criminosa.

Repórter ABC: Como é que funcionava esse esquema?

Delegado Fabiano Fonseca Barbeiro: A princípio nós tivemos conhecimento do estabelecimento que vendia o decodificador, ou seja, seria a ponta da linha (loja do Gutierre). Nós começamos a investigar daí por diante, ou seja, qual a origem desses decodificadores? Aí nos chegamos definitivamente ao distribuidor aqui do ABCDM (Reginaldo).

Repórter ABC: Tem mais gente envolvida?

Delegado Fabiano Fonseca Barbeiro: Pelo que foi apurado nos interrogatórios, principalmente do distribuidor – o Reginaldo – com certeza tem, principalmente dentro das empresas terceirizadas.

(...)

Repórter R: Como Reginaldo conseguia esses aparelhos?

Delegado Fabiano Fonseca Barbeiro: O Reginaldo disse que conseguia de pessoas que trabalhavam dentro dessas empresas terceirizadas. Eles faziam o desvio desses aparelhos, seja do almoxarifado ou dos veículos que iam para a rua fazer as instalações nas residências. Ele próprio trabalhou dentro de uma empresa que presta serviço para essa empresa de TV a cabo (NET).

Repórter BR: Alguma lista de pessoas que compraram esses aparelhos?

Delegado Fabiano Fonseca Barbeiro: Com o Reginaldo, dentre vários objetos que apreendemos, havia uma lista com nomes e endereços de algumas empresas de conserto de TV e som, onde normalmente esses aparelhos são comercializados. Faremos um trabalho para buscar mais responsáveis por esse crime que tem uma proporção muito grande.

Repórter BR: Todas as empresas no ABCDM?

Delegado Fabiano Fonseca Barbeiro: Sim.

Repórter R: E para quem comprou esses aparelhos para colocar em casa?

Delegado Fabiano Fonseca Barbeiro: Essas pessoas também estão cometendo o crime de receptação, mas não pela sua modalidade qualificada. O crime simples mesmo, cuja pena prevista de reclusão é de 1 a 4 anos. Elas também vão ser investigadas e detidas em flagrante.

Encerra a coletiva.

As prisões ocorrem todas na última segunda-feira. Um possível comprador entrou em contato com Gutierre com o consentimento da polícia. Eles fecharam o valor e no momento da entrega os policiais deram o flagrante. O já preso levou os tiras à casa de Reginaldo. Lá foram apreendidos mais de 200 decodificadores prontos para a venda, cartões com código de liberação de sinal clonados e um computador que criava a senha dos cartões.

Fazendo uma conta simples: a adesão de qualquer plano da NET custa R$249. Multiplique isso por 200 = R$49.800. Ou seja, apenas com o furto dos aparelhos a operadora perdeu quase R$50 mil. Contando a assinatura mensal, sendo que o pacote completo custa R$194 por mês... xi, vai grana, e isso sem contar os modens. Os dois foram indiciados em flagrante por receptação qualificada e Reginaldo ainda cumprirá pena por estelionato. Os gatos caíram - e feio - do telhado, como o Tom, amigo do Jerry...lembra? Não? Passa todos os dias na Cartoon Network.

2 comentários:

  1. Muito bom de novo! Cara, como você não entrou nessa antes?

    ResponderExcluir
  2. * Por "nessa" eu quero dizer "nessa onda de escrever em blog"

    ResponderExcluir